Ossos de vidro

Meu filho, com apenas um ano e meio de idade, sofria continuamente uma série fraturas nos ossos. Ele foi diagnosticado com a doença Osteogênese Imperfeita mais comumente conhecida como “ doença dos ossos de vidro ”. Devido a esta doença, que não tem cura, os ossos são tão fracos que se quebram ao mínimo golpe. Era muito difícil ver o coitadinho no hospital e na sala de operações. Uma coisa surpreendente é que ele nunca reclamou. Quando passava o tempo que tinha que estar engessado, ainda tinham que passar outros dois meses para que ele pudesse caminhar novamente. Mas normalmente durante esse período sofria outra (ele sofreu cerca de quatro por ano). Os médicos disseram que esta doença não tem cura, mas começaram um tratamento experimental de forma muito contínua (no início todos os meses, depois com mais distancia) para tentar reduzir o número de fraturas. Um dia, o médico nos disse: “ A não ser que a densitometria seja perfeita, o que é impossível, devemos aumentar o tratamento.”. Este foi o grande favor da Madre Felix: dos 300 casos que estavam tratando os médicos naquele momento, nenhum foi curado. No entanto, ao fazer o teste, meu filho tinha melhorado notavelmente, e os marcadores continuaram subindo até ter a densidade óssea de um menino saudável de sua idade. Dez anos depois, a situação permanece igual.

A.T., Madri

A Madre está sempre comigo

Sou ex-aluna do Colégio Mater Salvatoris. Há alguns anos, comecei a trabalhar na TVE (Televisión Española) com um contrato que terminaria quando concluísse o projeto no qual estava involucrada. Tinha comprado uma casa e tive medo de perder o emprego e não poder pagá-la. Quando meu contrato terminou me fizeram um contrato indefinido. Para mim foi um milagre, porque ninguém entra na TVE com um contrato indefinido havendo trabalhado lá por tão pouco tempo.

Este não foi o único favor que a Madre Felix me fez. Há dois anos atrás, a avó do meu marido, que nesse momento era meu namorado, sofreu um ataque cardíaco. Os médicos nos disseram que ela não sobreviveria. Coloquei o santinho da Madre Felix sob o seu travesseiro e, para surpresa dos médicos, saímos do hospital. Logo depois, ela foi diagnosticada com Alzheimer e estava muito agressiva. A família teve que levá-la a uma residência porque não conseguiam lidar com ela. Outra vez, coloquei o santinho e, milagrosamente, sua agressão desapareceu e ela lembrou-se de tudo.

Por outro lado, quando eu tinha 20 anos, ia fazer o teste para tirar a carteira de motorista, e realmente não estava preparada. Peguei o santinho da Madre Félix e coloquei-o na alavanca de câmbio do carro. A professora me disse: “ Não importa quantas freiras você coloca ai, você não vai passar...” PASSEI NA PRIMEIRA!

Eu peço tantas coisas a ela que seria impossível poder contar, cada vez que algo me assusta, ela está comigo.

M.P., Madrid

Não houve necessidade de amputação

Logo após a morte da Madre Félix, meu pai teve uma trombose na perna. Foi numa noite de sexta-feira quando vi que seu pé direito estava roxo. No sábado o pé estava frio, "morto", e digo "morto" porque a Madre acabava de morrer e a tinha visto, e tive a mesma sensação. Fiquei com medo e liguei para meu cunhado, cirurgião vascular, mas ele estava caçando. Quando ele voltou no domingo, levou meu pai para a emergência no seu hospital em Alcorcón (um bairro de Madri). Peguei o rosário com o qual havia tocado o corpo da Madre e o acompanhei enquanto os médicos tentavam reviver a perna, sem sucesso. Enrique, meu cunhado, começou a prepará-lo: “ olhe Antonio, você é um homem inteligente e se esta perna não voltar rápido, teremos que tomar outras medidas .... Ligarei para a minha equipe e às 6 da manhã ... (eles iam cortar a perna) ... Então eu peguei o rosário e disse à Madre:“ Madre, você gostava muito dele, me faça esse favor, mas faça rápido!”. E a perna começou a reagir. Às 6.00 da manhã, em vez de amputá-la, removeram um coágulo de 36 cm. Outras muitas vezes, graças a ela, obtive favores menores do Senhor.

M.C., Pamplona

Um filho vindo do céu

Não temos dúvida da intercessão da Madre Felix na enorme graça recebida. Quando a Madre Cristina, através de minha irmã, me deu a estampa da Madre Félix com a oração, rezei diariamente com muita intensidade, desejando um pequeno milagre. Logicamente, a intensidade aumentava nos dias que esperamos os resultados. Lembro perfeitamente como soube do resultado positivo ao mesmo tempo que rezava a oração. Agradeço muito a Madre Félix, a Madre Cristina e a toda a Companhia do Salvador, pela intercessão, pelas orações e pelo carinho recebido, que me confortou tanto nos momentos difíceis..

T.P., Madrid